Loucura


Assisti de camarote a falta de inocência
E a eloqüência dos loucos trouxe sorte,
A vida e a morte...
Persegui o diabo para satisfação da carne.
E meu sangue maculado tornou-se vazio
Um vazio de espectros e almas perdidas.
Uma dose de vodka é sinônimo de libertação,
Não quero ouvir essa voz que sempre diz, não!
Liberdade que passa depois na ressaca.
Entre montes de drogas, seios e Rock and Roll,
Tudo vira fumaça quando acaba o show...
E nas minhas mentiras
Todo sangue e horror
Na ausência de vida
Um menino chorou.
Depois da quinta dose
Não sou mais quem eu sou.
Ouço uma voz estridente
Gritando com fervor.
Sobre coisas da vida
E também do amor.
Já não acho graça
Nessa existência novela.
Sou platônico e poeta.
Sou amante, sou explorador.
E a dose que peço,
É errado incorreto
É só uma dose de amor...

4 comentários:

Luciana Brites disse...

All you need is love...muito bacana seu texto.de rebelde apaixonado pelo ideal do amor..bem platonico..:O)

Barbara disse...

sensível..

Francisco Jamess disse...

show!

persegui o diabo para satisfação da carne. gostei desse verso em particular, me lembrou Fausto, só que o Diabo é que foi atrás dele.

enfim...

tô seguindo.

http://adegadobardo.blogspot.com/

Danny Baioco disse...
Este comentário foi removido pelo autor.

Postar um comentário