Pátria.




Não sei se estou certo
Ou se caio em contradição.
O errado virou o correto,
O bom virou ostentação.
Nas lágrimas da vida
Tantas lutas, tanta dor.
No seio da mãe a ferida,
Um luto que não passou.
Nas favelas o abandono,
O descaso e a necessidade.
O caminho fácil é gostoso,
Mas é feito com maldade.
Entre drogas e mentiras
Incitam a violência.
Criaturas pequeninas
Precisam rever suas crenças.
Trocam a moral,
Por seios e poder.
Esquecem-se do natural,
Esquecem de viver.
E quem paga imposto,
Não vê aplicado.
Talvez peixe ao povo,
Ou a balada do deputado.
A mídia funesta,
Dinheiro ganha.
Dos pobres a tragédia,
Dos políticos a vergonha.
Macularam minha bandeira,
Com sangue e corrupção.
O verde virou vermelho,
O dourado ficou com o ladrão
Descaso consome
A alma do povo.
A política de hoje
É pior que um jogo
E os jovens politizados
Adorando o banal.
Buscando sempre obter
O lucro pessoal.
Pátria amada mãe gentil
Não guardo rancor.
Eu amo meu Brasil,
Mas não sei se tenho seu amor.

1 comentários:

Luciana Brites disse...

E quem paga imposto,
Não vê aplicado.
Talvez peixe ao povo,
Ou a balada do deputado....

Como é triste a forma como nós brasileiros estamos construindo nossa história, não é mesmo? Para o povo..pão e circo...:O(
Adorei seu texto..vc tem uma sensibilidade e um olhar bacana sobre as coisas....muito bom!

Postar um comentário