Minha Geração.




Sou da geração do consumismo,
Das pessoas de sonhos pequenos.
Em nosso eterno egoísmo,
O mundo nunca foi sereno...

Sou da geração da publicidade,
Das guerras de propagandas.
No meu Rio vejo a maldade,
Enxergo da minha varanda...

Sou da geração contraditória,
De mentiras e meias verdades.
O maus cantam vitória,
Cansei-me dessa crueldade...

Sou da geração do dinheiro,
Dos combates do dia a dia.
A exploração do brasileiro,
Política com nostalgia...

Sou da geração desumana,
Dos tempos da “pura” razão.
Minha alma clama um nirvana,
Um mundo da imaginação...

Sou da geração das pelejas,
Dos lamentos, da desilusão.
Um novo futuro eleja,
Faremos uma reflexão...

Sou da geração coca-cola,
Dos grandes conglomerados.
As crianças seguram pistolas,
Dolo de um mundo alienado..

7 comentários:

Daniel Dobbin disse...

bammmm/
adorei a fotu do mundo no carrinho de supermercado, bem a ver com o poema

Luciana Brites disse...

Putz....fiquei até arrepiada com seu texto, e me preocupo seriamente com a geração que meu filho vai pertencer..sempre leio pessoas revelando suas preocupações com o mundo que deixarão para seus filhos..me pergunto é que filhos deixaremos para o mundo???

Pedro Dobbin disse...

Seu estilo está melhorando a cada dia. Acredito que é a prática, vai fundo que você vai longe...

Daniel Dobbin disse...

Só uma coisa, vc é da geração coca-cola? Achei q ja era parte da geração KXY. Vc tem umbigo? é um bom modo de saber...

Barbara disse...

Uma geração louca, desvirtuada e globalizada talvez seja exatamente o que os antigos precisam para perceberem o quanto estão antiquados. Não culpe seus amiguinhos das escolas pelas mazelas do mundo, a revolução já começou e as pessoas estão apenas perdidas...

Isaac/Sawyer disse...

Bem... acho q como a maioria dos meus poemas é uma forte crítica a minha pessoa e a todos q habitam esse mundo...

Drix Brites disse...

bem bacana.. gostei, cara..

Postar um comentário